Múltiplos fatores ameaçam a sobrevivência das abelhas melíferas, diz relatório do PNUMA

Popsustentável: O estudo do PNUMA sobre o declínio da população de abelhas é de vital importância para compreendermos exatamente o que significa perda de biodiversidade. É fundamental para entendermos o que o crescimento populacional do homem representa para a vida animal. Ninguém parece dar tanta importância quando se fala em extinção dos tigres, ursos polares, pandas, ararinhas azuis. Muitos lamentam, muitos ficam tristes, mas a extinção desses animais não parece ser uma ameaça imediata para a nossa sobrevivência. Mas com o declínio da população das abelhas a situação muda radicalmente, seus serviços ambientais são fundamentais para a agricultura. Para o estudo, o colapso das colônias das abelhas é um aviso antecipado do que podemos enfrentar no futuro. Nos países onde o declínio das populações de abelha já é um fato grave, os agricultores já começam a perceber a necessidade de proteger os habitat naturais. Isso deve servir de aviso aos legisladores brasileiros na hora de votar o novo Código Florestal.

A extinção de quantos ou quais animais e plantas significará a quebra da nossa cadeia alimentar? Ninguém sabe dizer, mas as abelhas melíferas e os insetos polinizadores certamente farão muita falta para o ser humano.

Abelhas sob verdadeiro bombardeio

É bastante improvável que o desastroso declínio das colônias de abelhas tenha um fim devido a uma série de ameaças, diz o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Um verdadeiro bombardeio provocado pelas atividades econômicas do ser humano pode ser a causa do declínio catastrófico das abelhas em várias partes do mundo nos últimos anos, adverte um relatório da ONU. Cientistas identificaram mais de uma dúzia de fatores – desde o uso de pesticidas que provocam perda de memória nas abelhas ao desaparecimento de flores silvestres – que conspiram contra um dos insetos mais úteis da natureza. E sem “mudanças profundas” na forma como as pessoas estão utilizando a terra, o declínio na população de abelhas vai continuar, ameaçando a segurança alimentar e os preços dos alimentos, dizem eles.

Em apuros: A escala do desaparecimento da população de abelhas vem chocando ambientalistas e agricultores. O bombardeio inclui o aumento do uso de inseticidas sistêmicos que perturbam o sistema nervoso da abelha e o declínio de flores silvestres causados pela agricultura extensiva. Novas doenças e parasitas, incluindo o ácaro Varroa da Ásia, que enfraquece as abelhas e as torna vulneráveis à doença, estão sendo disseminadas pelo comércio internacional diz o relatório. A poluição do ar pode também estar interferindo com a capacidade da abelha de encontrar plantas com flores e comida. Aromas de flores que podiam viajar cerca de 800 metros em 1880, agora viajam apenas 20 metros.

Os autores pedem que os agricultores plantem flores que atraem abelhas ao lado de áreas cultivadas para incentivar o reestabelecimento dos hábitos desses insetos polinizadores. Pede, também, para que os agricultores sejam mais cuidadosos com a escolha, as datas e a aplicação dos pesticidas químicos.

O autor do relatório, Dr. Peter Neumann, disse: “A transformação da paisagem e das zonas rurais nos últimos cerca de cinquenta anos provocou um declínio nas abelhas silvestres e outros polinizadores. A sociedade está investindo em colmeias em escala industrial, e gerenciam colônias de abelhas para compensar o declínio e chegam ao ponto de transportá-las de caminhão para as propriedades agrícolas, a fim de garantir o nosso abastecimento de alimentos”.

 “O ser humano fabricou a ilusão de que no século 21 terá a capacidade tecnológica para se tornar independente da natureza. As abelhas são a prova de que somos mais e não menos dependentes dos serviços da natureza em um mundo com quase sete bilhões de pessoas”.

Achim Steiner, o Subsecretario Geral do ONU e diretor executivo do PNUMA, disse: “A maneira com que a humanidade gerencia ou mal administra seus recursos naturais, incluindo os insetos polinizadores, em parte definirá nosso futuro coletivo no século XXI. O fato é que das 100 plantas cultivadas pelo homem e que fornecem 90% dos alimentos do mundo, 70 são polinizadas pelas abelhas”.

“Nós precisamos ficar mais espertos sobre como gerenciar essas colmeias e precisamos gerenciar melhor a utilização da terra, a fim de recuperar as populações de abelhas silvestres para níveis mais sustentáveis e mais saudáveis.”

Paralelamente ao colapso das colônias, uma estimativa de 20.000 espécies de plantas das quais várias espécies de abelhas dependem para se alimentar, poderão desaparecer nas próximas décadas se os esforços de conservação não forem intensificados e os desmatamentos prosseguirem.

As mudanças climáticas pode agravar a situação, de várias maneiras, inclusive com alteração dos períodos de floração das plantas e das mudanças nos padrões de precipitação de chuva. Isto pode, por sua vez, afetar a qualidade e quantidade do fornecimento do néctar.

O relatório diz que as abelhas também estão sofrendo com a concorrência com a introdução de espécies exóticas. Na Europa, as abelhas melíferas estão sendo atacados pela vespa asiática – um inseto que invadiu metade da França nos últimos anos. Alguns apicultores podem também involuntariamente prejudicar os insetos. A reutilização de caixas e comida de colmeias mortas pode espalhar a doenças.

O estudo indica que as abelhas são um aviso precoce de impactos mais amplos sobre a vida animal e vegetal e que medidas para preservar e estimular o crescimento das populações de insetos polinizadores poderá não só garantir a segurança alimentar, como também assegurar o destino de muitos outros animais e plantas que são economicamente e ambientalmente importantes para o homem.

Leia o relatário completo:

http://www.unep.org/dewa/Portals/67/pdf/Global_Bee_Colony_Disorder_and_Threats_insect_pollinators.pdf

Leia mais:

http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-1364862/Honeybee-decline-unlikely-stop-perfect-storm-threats-UN-warns.html

Anúncios
Esse post foi publicado em Agricultura, Biodiversidade, Mudanças Climáticas, Poluição, População. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Múltiplos fatores ameaçam a sobrevivência das abelhas melíferas, diz relatório do PNUMA

  1. Lenilson A Sena disse:

    Parabens pela relevente contribuição, na divulgação desse importantissimo assunto.
    Sou defensor das abelhas, na Amazônia, tenho enfrentado uma verdadeira guerra para salvar as abelhas. – Sabemos que existe a RESOLUÇÃO DO CONAMA que fundamenta a importancia do agente polinizadorem como, seus devidos procedimentos para manejo em seu habitat natural ou, mesmo em zona urbanizada com a ocupação expansiva do solo, porém o que quero salientar é, a NÃO fiscalização do IBAMA e Orgaos Ambientais Licenciadores, que não exigem nos P.C.A,s que suprimem o habitat das abelhas. O seu devido destino, reintrodução e mesmo a compensação em forma de incentivo e fomento, deve obrigatoriamente ser observado.
    Obrigado pelo informativo – Lenilson Sena – Porto Velho- RO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s